quinta-feira, 14 de maio de 2015

Secretaria de Saúde descarta surto de meningite no RN



A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) realizou entrevista coletiva no início da tarde de ontem (13) para esclarecer à população sobre os casos de meningite ocorridos no Rio Grande do Norte.
O secretário de saúde do estado, José Ricardo Lagreca, foi enfático ao informar que o RN não vive um surto da doença. Na ocasião, foi informado que os dez casos registrados neste ano estão dentro da normalidade para o período. “Estamos reunidos para informar que não há surto de meningite. A meningite é uma doença endêmica e nessa época do ano, mais chuvosa, exatamente nesse período que os casos ocorrem. Portanto é uma situação esperada para toda a vigilância epidemiológica, ela já sabe que isso existe nessa época chuvosa do ano”, declarou.
No período de janeiro a maio de 2015, foram confirmados 10 casos da doença meningocócica em todo o RN, distribuídos pelos municípios de Natal (2), Parnamirim (2), São José de Mipibu (1), Extremoz (1), Monte Alegre (1), João Câmara (1), Lagoa D’Anta (1) e Ielmo Marinho (1). Do total de casos confirmados, quatro vieram a óbito (Extremoz, Parnamirim, João Câmara e Lagoa D’Anta). Até o momento não há correlação entre os casos.
Para Lagreca, o fato dos registros terem ocorridos em cidades distintas colabora para comprovar que não existe um surto epidemiológico. “Os municípios diferentes dos casos exatamente descaracteriza a existência do surto. São municípios diferentes, ele não se concentra num local só, o que caracterizaria o surto. As áreas são distintas”, explicou o secretário.
A coordenadora de promoção à saúde da Sesap, Cláudia Frederico,  informou ainda que a comunicação dos casos é obrigatória, conforme determinação da vigilância sanitária. “Não tem surto aqui e em nenhum lugar do Brasil. Jamais a secretária de saúde iria esconder esse caso, se tivesse. Porque é obrigação nossa, do ponto de vista sanitário, cuidar dessas pessoas e orientar. Então, uma vez identificado o surto a gente tem a obrigação e o desejo de avisar o mais rápido possível justamente para alerta e solicitar a colaboração de todos”.

Flávio Oliveira/Nominuto.com