sexta-feira, 10 de julho de 2015

Reservatórios potiguares estão com menos de 25% de sua capacidade

Açude Santana (Gangorra) em Rafael Fernandes, encontra-se com menos da
 metade de sua capacidade total, Foto: Douglas Diógenes.



Reservatórios de água no Rio Grande do Norte estão com apenas 24% de sua capacidade. Tal situação é dada como preocupante. A informação é da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH) obtida junta à Agência Nacional de Águas (ANA). Em 2012, os reservatórios potiguares estavam com 71% de sua capacidade.

Somente neste ano, o índice já caiu 2,5%, enquanto a média de redução na região Nordeste foi de 1%. Atualmente, nove municípios potiguares estão em colapso e 33 convivem com o rodízio de água.

Entre as ações já realizadas no combate aos efeitos da seca, entre obras emergenciais, de médio e longo prazo, está a retomada das obras da barragem de Oiticica e do Sistema Adutor do Alto Oeste.

A maior parte dos recursos (61%) está sob a tutela da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), o que corresponde a R$ 429 milhões. A Companhia de Águas e Esgotos (Caern) detém outros R$ 221 milhões. O restante está distribuído entre outras pastas e órgãos do governo.


Dentro das ações emergenciais já executadas está a perfuração de mais de 154 poços só neste ano. A previsão é de que, até setembro próximo, sejam instalados mais 71 nos municípios com pior situação hídrica, e recuperados outros 100. Também neste ano, deve-se ultrapassar a marca de 1000 cisternas entregues no RN, através do programa Brasil Sem Miséria, gerido no estado pela Secretaria de Ação Social (Sethas).

Em Rafael Fernandes o Açude Santana (Gangorra), registrou sua última sangria no ano de 2011, com a diminuição do período chuvoso nos últimos quatro anos o nível de água chegou a zero no fim do ano passado. Já este ano o açude que tem capacidade total de 7 000 000 metros cúbicos d’água, recebeu um bom volume durante o período chuvoso, mesmo assim não atingiu nem metade de  sua capacidade máxima. Nós entramos em contato com DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas), mas o que nos repassaram foi que não foi feita nenhuma medição nos últimos meses devido ao baixo nível de água que o açude se encontra. 

Da redação com Blog do JP.