quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Banco do Brasil apresenta prazos para reabrir agências fechadas após explosões no RN

Terminais violados em agência do Banco do Brasil no RN
 (Foto: Marksuel Figueredo / Inter TV Cabugi).



Banco do Brasil apresentou ao Procon do Rio Grande do Norte um calendário com as datas previstas para reabertura de 15 agências bancárias no interior do estado. Segundo o órgão, elas tinham sido fechadas ao longo dos últimos anos, principalmente por terem sofrido explosões e outros tipos de ataques de quadrilhas criminosas.

Em maio, o Procon abriu procedimento para apurar perdas para a economia dos municípios e dificuldades enfrentadas pelos consumidores para terem acesso aos serviços bancários. De acordo com o diretor-geral do órgão, Cyrus Benavides, as agências tinham sido vítima de ataques, porém meses depois continuavam fechadas. Na ocasião, o banco havia informado que realizaria um estudo para saber quais unidades seriam reabertas.

"Temos casos como a agência de São Paulo do Potengi, que atendia outras 9 cidades ao redor. Depois que foi fechada, as pessoas tinham que ir para Macaíba. É uma situação que causa gastos e perigo para o consumidor, além de uma interrupção na movimentação econômica daquela região", considerou Benavides.


De acordo com o banco, das 15 agências, pelo menos duas já foram reabertas. É o caso do Banco do Brasil de Touros e de Baraúna. Esta segunda, porém, só estará em pleno funcionamento a partir da próxima segunda-feira, 4 de setembro. Na lista, há unidades que só serão reabertas em novembro de 2018.

Aberturas em 2017

01 – Touros
02 – Baraúna Aberta, com pleno funcionamento em 04/09
03 - São Paulo do Potengi - 20/09
04 - Umarizal - 30/09 
05 - São Miguel - 31/10
06 - Acari - 01/11
07 - Florânia - 13/11
08 - Santana do Matos - 06/12
09 - Lajes - 30/12

Aberturas em 2018

10 - Gov. Dix-Sept Rosado - 10/01/2018
11 - Caraúbas - 16/01/2018
12 - João Câmara - 30/03/2018
13 - Monte Alegre - 30/03/2018
14 - São José de Campestre - 30/11/2018
15 - Tibau do Sul - 30/11/2018


Por Igor Jácome, G1 RN