sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Natal tem o quarto menor valor da cesta básica entre as capitais brasileiras, aponta Dieese

Natal tem o quarto menor valor da cesta básica entre as capitais brasileiras, aponta Dieese - Foto: Voz Comunicação/Divulgação.



Natal tem o quarto menor preço da cesta básica entre as capitais brasileiras, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgado nesta quinta-feira (6). Em janeiro de 2020, a lista dos alimentos básicos aumentou 1,43% em comparação com dezembro do ano anterior e custou R$ 389,26 na capital potiguar. Em 12 meses, a variação foi de 10,64%.

Natal ficou atrás de João Pessoa (R$ 388,26), Salvador (R$ 376,49) e Aracaju (R$ 368,69). No Brasil, a cesta básica mais cara é a de São Paulo, que custa R$ 517,51.

Segundo o Dieese, entre dezembro de 2019 e janeiro de 2020, houve elevação no valor médio dos seguintes produtos em Natal: tomate (42,29%), óleo de soja (6,49%), açúcar refinado (5,22%), feijão carioquinha (4,09%), café em pó (2,07%), arroz agulhinha (1,61%), manteiga (0,95%) e pão francês (0,21%).

Por outro lado, caíram os preços da farinha de mandioca (-9,51%), do café em pó (-7,82%) e da manteiga (-0,35%).

O Diesese também analisa o custo médio da cesta básica em relação ao salário e o tempo de trabalho. Em janeiro de 2020, o trabalhador natalense remunerado com o salário mínimo comprometeu e 82 horas e 25 minutos da jornada mensal para conseguir comprar os produtos da cesta. Em dezembro de 2019, o tempo necessário foi de 84 horas e 36 minutos e, em janeiro do mesmo ano, de 77 horas e 34 minutos.

Ainda de acordo com o Dieese, o custo da cesta em Natal no mês passado comprometeu 40,72% do salário mínimo líquido (após os descontos previdenciários). Em dezembro de 2019, o percentual foi de 41,80% e, em janeiro do mesmo ano, 38,34%.

G1 RN