domingo, 21 de outubro de 2018

PARABÉNS RAFAEL FERNANDES PELOS SEUS 55 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA

Av. Egídio Chagas, com destaque para a Estátua de Santa Luzia (direita) - Foto: Arquivo - Portal Rafael Fernandes.


O município de Rafael Fernandes localizado na região do Alto Oeste Potiguar e distante 435 km da capital do estado Natal, comemora hoje 55 anos de emancipação política.

Capela de Santa Luzia - Padroeira do Município  


Fé e tradição!! Não podemos negar, nas narrativas de nossa história, a forte influência religiosa no povoamento de nossa terra. Foi em 1917, que a senhora Umbilina Maria da Conceição – filha de Francisco Martins de Oliveira – motivada pela fé, ao compadecer de um problema de saúde nos olhos, elevou sua prece à santa protetora da vista: Santa Luzia.

Oh Umbilina!!! Sua prece ecoou aos quatro cantos da região como um sinal de fé, de resistência de um povo forte que não perde jamais a esperança, e com o olhar da fé, descobre neste ato, a grandeza do celebrar em mutirão, pois a promessa de Umbilina resultou no celebrar de um novenário em sua residência no período de 04 a 13 de dezembro.

Com muita festa, a primeira novena foi celebrada na casa de Francisco de Oliveira Filho, irmão de Umbilina. E assim, em cada mistério, cada terço, em cada oração, entre lamparinas e lampiões, acendia cada vez mais a fé de um povo de Deus. Tal atividade abriu caminhos para crescentes visitas e estadia em nossa terra pelo povo da região. Somos então, povo hospitaleiro na fé.

Somente em 1943, a comunidade Varzinha, já mais desenvolvida, e através do senhor José Silva de Oliveira (mais conhecido como Zequinha, dono de farmácia e pai do ex-prefeito Nilton Silva) e Maria Alzira Pinheiro, nos despretensiosos jogos de “Sueca” externaram a Francisco de Oliveira Filho a necessidade de se construir uma capela, para melhor acomodar as pessoas que a cada ano vinham participar do novenário.


Em face desse desejo de se construir um templo, Francisco Oliveira Filho se propôs a doar 04 (quatro) tarefas de terras para ser feita a capela. Diante desta doação, José Silva de Oliveira entrou em contato com o padre Manoel Caminha Freire que marcou data para a celebração de uma missa, com o fim de sentar a pedra fundamental para a construção da capela, símbolo de uma religiosidade marcada na história desse povo.

A missa ocorreu 1944 na casa de José Ferreira da Costa, nesta época, morava o seu vaqueiro João Carlos (ou João Carro). Após, saíram em caminhada para sentar a pedra fundamental no local onde se encontra atualmente construída a capela de Santa Luzia.

Escola Estadual Mano Marcelino ( década de 1950)


A construção da referida capela foi feita à base de mutirão, foram muitas as mãos calejadas pelo trabalho, mas abençoadas pela fé, que ergueram a capela de Santa Luzia. Várias pessoas doaram materiais e outros à força do trabalho. Citamos o nome de algumas pessoas que muito contribuíram para a sua construção e se mantiveram na memória coletiva e em registros: Francisco de Oliveira Filho pela doação do terreno, José Silva de Oliveira (Zequinha) pela iniciativa da construção da capela, Egídio Chagas do Nascimento, Luiz Chagas do Nascimento, Chicó Alfredo, João Felipe de Oliveira, Sebastião José de Oliveira e Olímpio Mariano da Costa (Olímpio Joca), pelo trabalho voluntário.

Destacamos, ainda, Agostinho Ventura que doou toda a madeira, que encontrava no sítio Balanço, sendo as mesmas retiradas por João Felipe de Oliveira e Sebastião José de Oliveira, merece destaque também Adalto Lopes que doou os carros de boi para o transporte da referida madeira.

Ressaltamos também a contribuição de Adelino Aires que doou uma madeira de 54 palmos para a confecção do coro da capela, bem como, o sino sendo o mesmo confeccionado por seu irmão na cidade de Mossoró/RN. Não poderíamos deixar de lembrar também dos trabalhos realizados por Francisco Silvino da Costa (Silvino Lagoa) e Adalto Maia da Costa, que também contribuíam para a construção da capela de Santa Luzia e de tantas outras pessoas que, devido à falta de registros históricos, não podemos mencionar aqui, mas sabemos que o anonimato merece também nosso reconhecimento.


Bandeira 


No ano de 1953 – é Aprovada a Lei nº 56, de 21 de dezembro de 1953 que elevou o Povoado de Varzinha a categoria de Distrito, com o nome Rafael Fernandes. Projeto de autoria do Deputado Estadual Israel Ferreira Nunes. O Governador á época era Silvio Pisa Pedrosa. 

Rafael Fernandes Gurjão, natural de Pau dos Ferros,
nascido a 24/10/1891 e falecido em 11/06/1952. ( Ilustre potiguar, à qual nossa cidade recebeu seu nome, como forma de homenageá-lo)


E é somente, com uma década depois, 21/10/1963 - Aprovada a Lei nº 2964 de 21 de outubro de 1963 cujo Projeto de Lei foi de autoria do Deputado Estadual Israel Ferreira Nunes. O Governador á época era Aluísio Alves.

Antônio Justino de Oliveira (primeiro prefeito do município)



Portanto, hoje, dia 21 de outubro, nossa cidade completa 55 anos de emancipação política. E durante todo esse tempo, nosso pedaço de chão, no germinar de tantos filhos, nos nutriu também como filhos seus, nos batizou, consagrando-a como nossa terra, nos colocando como parte dessa história, porque em seu barro fomos moldados.




Uma homenagem do Portal Rafael Fernandes!


Da redação com José Gevildo Viana, 
Fonte: Escritos de Alex Maia, Imagens: Arquivo do Portal Rafael Fernandes


sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Folha revela esquema ilegal de empresas pró-Bolsonaro bancando fake news contra o PT pelo WhatsApp

Bolsonaro em visita a um prédio da Polícia Federal no Rio de Janeiro, nesta quarta-feira.
MAURO PIMENTEL AFP


Empresários compraram irregularmente pacotes massivos de envio de mensagens contrárias ao PT pelo WhatsApp, segundo reportagem publicada nesta quinta-feira pela Folha de S.Paulo. De acordo com a apuração do jornal, os contratos chegam a 12 milhões de reais e, entre os compradores, está Luciano Hang, dono da Havan. Ele apoia publicamente Jair Bolsonaro (PSL) e já foi obrigado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a retirar de seu Facebook um vídeo favorável ao capitão reformado que tinha sido pago para alcançar mais pessoas. A ação, revelada pelo EL PAÍS em agosto, é proibida pela legislação eleitoral, que diz que só os próprios candidatos, partidos e suas coligações podem comprar propaganda eleitoral no Facebook. Bolsonaro nega, por meio de seu advogado, qualquer participação em irregularidades. Hang também. O PT afirma que acionará a Justiça, enquanto PDT, de Ciro Gomes, diz que pedirá para anular a eleição.
Segundo a matéria da Folha as empresas “apoiando o candidato Jair Bolsonaro” compram de empresas especializadas um serviço chamado “disparo em massa” de mensagens no WhatsApp. Para isso, usam a base do próprio candidato ou partido ou uma base das próprias empresas que prestam o serviço, o que é ilegal porque a legislação eleitoral também não permite a compra de base de dados de terceiros. Essas bases compradas oferecem segmentação por região geográfica e, às vezes, por renda, explica o jornal. Muitas vezes, elas são fornecidas por empresas de cobrança ou por funcionários de empresas telefônicas, também segundo a Folha. O jornal diz ainda que as empresas investigadas pela reportagem estavam impossibilitadas de aceitar novos pedidos antes de 28 de outubro, data do segundo turno, por terem serviços enormes de disparos previstos para a véspera. Segundo o jornal, a prática também foi usada pelo candidato ao Governo de Minas Gerais pelo partido Novo, Romeu Zema, que nega.
A prática relatada pode configurar doação de campanha por empresa, o que é ilegal. Além do mais pode conter outra irregularidade caso se comprove que partiu de uma campanha política e não foi registrada na prestação de contas do candidato. A declaração do candidato ao TSE contém apenas o pagamento de 115.000 reais a uma empresa que realiza serviços de mídias digitais, a AM4 Brasil Inteligência Digital, que afirmou à Folha que mantém apenas grupos de WhatsApp para denúncias de fake news, listas de transmissão e grupos estaduais chamados comitês de conteúdo, relata o jornal. A Folha, entretanto, revela que apurou que o serviço dela não se restringe a isso. Uma das ferramentas usadas é a geração de números estrangeiros automáticos. Esses números são distribuídos a funcionários e voluntários —cada qual com dezenas deles— que são usados para administrar grupos ou participar deles. Com os códigos de outros países eles escapam dos filtros de spam e de limitações impostas ao WhatsApp no Brasil, como a limitação no número de participantes e na quantidade de repasse automático.
O EL PAÍS entrou durante a campanha em alguns desses grupos de apoiadores do candidato Bolsonaro e constatou a existência de muitos números com códigos de outros países entre os administradores. Há números dos Estados Unidos, Portugal, Itália e Reino Unido, entre outros. Em 28 de setembro, reportagem mostrou como funciona a máquina de fake news que opera nos grupos a favor de Bolsonaro no WhatsApp. O EL PAÍS acompanhou três grupos por três semanas, que publicavam juntos mais de 1.000 mensagens por dia, com conteúdos que informavam, por exemplo, que as urnas eletrônicas já foram fraudadas no país, algo que nunca aconteceu. Havia na ocasião ao menos cem grupos públicos que apoiam o capitão reformado do Exército no aplicativo.
O advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, defendeu seu cliente das acusações e disse ao jornal Valor Econômico que não há como vinculá-lo diretamente à suposta rede financiada por empresários de envio de mensagens pelo WhatsApp. De acordo com o advogado, os apoios de Bolsonaro são “espontâneos” e a campanha do presidenciável não pode ser responsabilizada pela conduta de simpatizantes. “Esta é uma campanha muito diferente. Não é razoável que qualquer manifestação, ele [Bolsonaro] tem que ter responsabilidade. Teria que ter muito dinheiro para vigiar [a conduta de todos os apoiadores]”, disse Ayres ao jornal.
PT pede investigação
O teor da reportagem levou o PT e Fernando Haddad a pedirem uma investigação sobre a suposta rede de apoio ilegal de empresários em favor da campanha de Bolsonaro. Em uma série de posts no Twitter, Haddad afirmou que a equipe jurídica da sua campanha acionará tanto a Polícia Federal quanto a Justiça Eleitoral para que as denúncias sejam apuradas. “A Folha hoje comprova que o deputado Bolsonaro criou uma verdadeira organização criminosa com empresários que, mediante caixa dois, dinheiro sujo, estão patrocinando disparos de mensagens mentirosas no WhatsApp”, publicou Haddad. “Ele patrocinou com dinheiro sujo uma campanha de difamação. E isso não tem prazo para acabar. Vou buscar reparação até as últimas consequências e os empresários que se envolveram nisso vão ter que responder judicialmente”, complementou ele, em uma coletiva de imprensa.
O Tribunal Superior Eleitoral não se manifestou até o momento sobre o caso. Em final de junho, o então presidente do tribunal, Luiz Fux, afirmou que a Justiça Eleitoral poderá eventualmente anular o resultado de uma eleição se esse resultado for decorrência da difusão massiva de notícias falsas. “O artigo 222 do Código Eleitoral prevê que se o resultado de uma eleição qualquer for fruto de uma fake news difundida de forma massiva e influente no resultado, ele prevê inclusive a anulação”, destacou. “É claro que isso demanda um acervo probatório, uma cognição, conhecimento profundo daquilo que foi praticado. Mas a lei prevê esse tipo de sanção”.
O WhatsApp também não se manifestou até o momento. Pesquisadores brasileiros publicaram no jornal The New York Times um artigo de opinião que pedia a empresa que implemente três mudanças para reduzir o “nível de desinformação” no processo eleitoral, explicou Pablo Ortellado, professor de políticas públicas da USP, que assinou o texto com Cristina Tardáguila, diretora da agência de checagem de dados, Lupa, e Fabrício Benevenuto, professor de ciência da computação da UFMG. Ele pedem três mudanças: a redução do número de reenvios de mensagens, o alcance da transmissão delas e o limite do tamanho de novos grupos, que hoje é de 256 usuários. “Acreditamos que com a adoção imediata dessas três medidas é possível uma redução rápida do dano que a desinformação tem causado ao debate eleitoral”, disse Ortellado em seu Twitter. “Informamos ao WhatsApp nossa proposta e a empresa nos respondeu que não há tempo para implementá-las. Nós discordamos. Na Índia, após uma série de linchamentos causados por boatos difundidos no aplicativo, o WhatsApp conseguiu implementar mudanças em poucos dias”, complementou.

Fonte: El País

Enem 2018: Cartões serão liberados na segunda-feira (22)




Os cartões de confirmação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2018) de mais de 5 milhões de inscritos serão liberados na próxima segunda-feira (22) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Com o documento que pode ser obtido na página do participante será possível verificar o local onde cada candidato fará as provas.
A recomendação da pasta é que cada estudante conheça o melhor trajeto para chegar ao lugar sem imprevistos. Além do local, o cartão também indica número de inscrição, data e horários das provas, detalhes sobre atendimentos e recursos de acessibilidade – se foi solicitado –, e o idioma estrangeiro escolhido.
A assessoria do Inep afirmou que não há casos de inscritos que não encontram seus cartões ou de informações equivocadas. De acordo com o órgão, os dados preenchidos na inscrição são automaticamente inseridos nessa confirmação. De qualquer maneira, a orientação é que, havendo algum problema, o estudante entre em contato com os canais de atendimento do Ministério da Educação (MEC) pelo telefone 0800616161 ou pelo link Fale Conosco, no site da pasta, para que a demanda seja verificada.
É importante lembrar que o governo decidiu manter o início do horário de verão, que começará no primeiro dia de prova do Enem, 4 de novembro. O MEC recomenda que os estudantes entrem no ritmo do novo horário, dormindo uma hora mais cedo, cerca de uma semana antes, para não serem prejudicados na hora da prova.
As provas serão aplicadas nos dias 4 e 11 de novembro em todo o país. No primeiro dia do exame (4/11), serão aplicadas as provas de linguagem, ciências humanas e redação. A aplicação terá cinco horas e meia de duração. No segundo dia (11/11), haverá provas de ciências da natureza e matemática. Os estudantes terão cinco horas para resolver as questões.

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

União reconhece situação de emergência em 147 municípios do RN; em Rafael Fernandes, Açude Gangorra encontra-se quase seco

Açude Santana (Gangorra), é o maior reservatório do município de Rafael Fernandes - Foto: Reprodução/InterTV Cabugi


O Ministério da Integração Nacional, por meio de Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, reconheceu, em decorrência da seca, a situação de emergência em 147 municípios do Rio Grande do Norte – o que representa 88% dos municípios potiguares. No estado, faz 7 anos que as chuvas estão abaixo da média histórica.



O reconhecimento foi formalizado por meio de portaria publicada na edição desta quarta-feira (17) do Diário Oficial da União. Veja AQUI a portaria e a lista completa dos 147 municípios potiguares em situação de emergência.

Reservatórios secos

Dos 47 reservatórios monitorados pelo Instituto de Gestão das Águas do Rio Grande do Norte (Igarn), 13 encontram-se atualmente abaixo de 5% de suas capacidades de armazenamento.

Entre os reservatórios completamente secos está a Barragem Marechal Dutra, em Acari, na região Seridó, um dos maiores do estado. Mais conhecido como Gargalheiras, ele tem capacidade para mais de 44 milhões de metros cúbicos de água. Contudo, de acordo com monitoramento feito nesta terça (16), o nível atual é 0% do volume total.

O Gargalheiras foi inaugurado em 1959. E, segundo o Igarn, esta é a primeira vez, às vésperas de completar 60 anos, que a barragem seca completamente.

Açude Santana (Gangorra)

O açude Santana, mais conhecido com "Gangorra", é o maior reservatório de água do município de Rafael Fernandes, é também um dos mais antigos do estado do RN, sua construção data de meados de 1908, sendo inaugurado em 1915. 

Com capacidade para mais de 7.000.000,00 (sete milhões de metros cúbicos), hoje ele encontra-se com apenas; 23.333,00 (vinte e três mil, trezentos e trinta e três, metros cúbicos), 0,33% do volume, segundo dados da SEARH-RN (Secretaria da Administração e dos Recursos Humanos), Divulgados no último dia 21/09.

Redação, com G1 RN

Congresso derruba veto e confirma piso salarial de agentes de saúde

Agentes comunitários de saúde (parte de cima da foto) acompanham votação no plenário da Câmara; deputados (parte de baixo da foto) discutem o reajuste para a categoria — Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados.

Piso estava congelado desde 2014, e presidente vetou reajuste aprovado pelo Legislativo. Pelo texto, remuneração mínima passará dos atuais R$ 1.014 para R$ 1.550 até 2021.


Em sessão conjunta nesta quarta-feira (17), o Congresso Nacional derrubou o veto parcial ao dispositivo que aumenta o piso salarial dos agentes comunitários de saúde e de combate a endemias, constante do projeto de lei de conversão da Medida Provisória 827/18. Agora a matéria será promulgada e incorporada à Lei 13.708/18.
De acordo com o texto, o aumento será de R$ 1.014,00 para R$ 1.550,00 mensais dentro de três anos. Em 2019, o piso será R$ 1.250,00; em 2020, R$ 1.400,00; e os R$ 1.550,00 valerão a partir de 1º de janeiro de 2021.
O texto retomado prevê ainda que o piso será reajustado anualmente a partir de 2022 com índice a ser fixado na lei de diretrizes orçamentárias.
Na Câmara dos Deputados, o veto teve 277 votos contrários e 15 pela sua manutenção. No Senado, foram 45 votos contra o veto e 2 a favor.
Entretanto, um dos itens não obteve quórum suficiente no Senado para sua derrubada. Esse trecho determinava que a lei de diretrizes orçamentárias (LDO) fixaria o valor reajustado do piso salarial. Para isso a LDO de 2019 (Lei 13.707/18) teria de ser modificada.
Na justificativa do veto, o governo argumentou que o aumento do piso salarial, não previsto na matéria inicial e que é bancado pela União (95% do valor) junto aos municípios, viola iniciativa reservada ao presidente da República em matéria sobre criação de cargos e aumento de sua remuneração.
O Executivo também argumentou que isso violaria a emenda constitucional do teto de gastos (EC 95) e a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar 101/00) por criar despesa orçamentária sem indicar estimativa de impacto.
O presidente do Senado, Eunício Oliveira, convocou outra sessão do Congresso para o próximo dia 24, em horário a definir, para continuar a análise de vetos pendentes.

Fonte: Agência Câmara Notícias

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Jovem morre após grave acidente envolvendo moto e Van na cidade de Tenente Ananias

FOTO - REPRODUÇÃO: FACEBOOK


Uma colisão envolvendo uma moto e uma van, foi registrada no final da tarde e início da noite desta terça-feira (16), nas proximidades da cidade de Tenente Ananias. 


Conforme informações, o jovem identificado por Gilberto Júnior, seguia em uma motocicleta de uma faculdade na cidade de Pau dos Ferros, quando em determinado momento colidiu com uma Van de condutor não identificado.

De acordo ainda com informações, a vítima teria sido arremessada por alguns metros do local, e o condutor do carro saiu do local do ocorrido. Uma equipe médica do hospital local foi acionada para prestar socorro a vítima, e em seguida encaminhou até o hospital, mas devido a gravidade dos ferimentos acabou não resistindo e veio a óbito momentos depois.

O corpo do jovem será encaminhado para perícia, onde será realizado o exame cadavérico e depois liberado para velório e sepultamento.

Da Redação com Sertão Informado