terça-feira, 11 de setembro de 2018

Gasolina e diesel já estão mais caros nos postos, diz ANP



Os aumentos dos preços da gasolina e do diesel nas refinarias chegaram às bombas na semana passada, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis). Após um período de estabilidade, o preço médio da gasolina subiu 1,77% e o do diesel, 3,44%.
Os aumentos refletem o repasse da desvalorização cambial e de alta nas cotações internacionais dos combustíveis. Segundo a ANP, o litro da gasolina foi vendido na semana passada a R$ 4,525, em média no país. O litro do diesel custou R$ 3,489.
A gasolina vinha subindo nas refinarias desde o dia 18 de março até que, na quinta (6), a Petrobras anunciou a implantação de um mecanismo para evitar o repasse de volatilidades externas, como câmbio e desastres naturais, ao consumidor.
Desde quarta (5), o preço do produto em suas refinarias está estável em R$ 2,2069 por litro -valor que será cobrado também nesta terça (11). A estatal não respondeu, porém, se o mecanismo já foi posto em prática. Ele permite que a empresa segure os preços por até 15 dias.
No caso do diesel, a alta nas bombas reflete o repasse do reajuste anunciado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) no último dia 30, também sob pressão do câmbio e da elevação das cotações internacionais.
O preço diesel nas refinarias estava congelado desde o final de maio, quando o governo anunciou acordo para encerrar a greve dos caminhoneiros. No dia 31, teve reajuste médio de 13%, subindo de R$ 2,0316 para R$ 2,2964 por litro.
O acordo com os caminhoneiros prevê subsídio de até R$ 0,30 por litro, além de desconto de R$ 0,16 por litro nos impostos federais, com a promessa de que o preço cairia R$ 0,46 nas bombas.
Com a alta da semana passada, o preço médio do diesel nos postos é hoje R$ 0,106 menor do que o vigente na semana anterior à greve. Na comparação com a semana da greve, a queda é de R$ 0,299 por litro. 

Folhapress