sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Candidatos ao governo do RN no 2º turno se confrontam em debate da Inter TV Cabugi

Os dois candidatos ao governo do RN no segundo turno participaram do
debate na Inter TV Cabugi — Foto: Pedro Vitorino



Os candidatos ao governo do Rio Grande do Norte, Carlos Eduardo (PDT) e Fátima Bezerra (PT), participaram do debate da Inter TV Cabugi, na noite desta quinta-feira (25), em Natal. Este foi o último confronto público entre os dois postulantes ao cargo antes do segundo turno das eleições 2018, que ocorre no próximo domingo (28). A mediação foi do jornalista da Rede Globo, Ari Peixoto.
Como no primeiro turno, o debate foi dividido em quatro blocos, sendo que o primeiro e o terceiro eram de temas livres. Na segunda e na quarta etapa, os candidatos perguntaram e responderam perguntas sobre termas pré-determinados sorteados na hora.

Cada candidato fez duas perguntas e respondeu a outras duas em cada uma dessas etapas, conforme ordem sorteada antes do programa. Os candidatos tiveram 30 segundos para formular as perguntas, 1 minuto e 30 segundos para as respostas, um minuto e para réplica e um minuto e para tréplica.

No último bloco, além das perguntas, cada candidato também pôde fazer suas considerações finais.

Confira as considerações finais de cada candidato (ordem definida por sorteio):

Fátima Bezerra (PT)

"Primeiro quero aqui saudar a Inter TV, cumprimentar aqui o candidato, Ari, e sobretudo a você que está em casa, que acompanhou o debate até o presente momento. E dizer a vocês com muita serenidade: estou preparada para enfrentar esse desafio que é governar o Estado do Rio Grande do Norte a partir do ano que vem. E quero aqui fazer uma reflexão com vocês. Nós temos no domingo apenas dois caminhos a escolher. De um lado, o projeto do candidato que representa as oligarquias que estão no poder aí há 60 anos, o chamado governo de privilégios, governo que olha para três, quatro, ou cinco famílias. De outro lado, um projeto que representa a mudança, que é a nossa candidatura. Um projeto que significa governar para todos e para todas, mas com o olhar principalmente para os que mais precisam. Digo mais ao Rio Grande do Norte: 30 anos de vida pública, honradez, seriedade, decência, espírito público, maturidade, sabedoria. Trago exatamente para o governo a capacidade de escutar, de ouvir as pessoas. Meu governo vai ser o governo do diálogo, o governo da união. Até porque tirar o Rio Grande do Norte da crise em que ele se encontra exige o esforço de cooperação e de colaboração de todos. Por isso que vou dialogar com os empresários, com os trabalhadores, vou dialogar com todos os setores da sociedade com a clareza de que nós estamos preparados para construir um novo Rio Grande do Norte com paz, com prosperidade, com emprego e com dignidade. É 13 domingo, sem medo de ser feliz. Fátima 13, Haddad presidente".


Carlos Eduardo (PDT)

"A candidata, minha adversária, não representa nenhuma mudança, a não ser a continuidade do atual governo, ao qual ela foi aliada. E os outros aliados, que ela já loteou o governo, o ex-presidente (da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte) Ricardo Motta, também vítima da Operação Candeeiro e Dama de Espadas, e o atual presidente da Assembleia Legislativa, um tucano apoiando o PT. Daí você tira a incoerência e o novo que isso representa. Não tem nada de novo, é a velha política que nós temos que derrotar domingo nas eleições. Eu quero dizer aos norte-rio-grandenses: eu tenho 32 anos de vida pública e não tenho, não respondo a nenhum processo de improbidade administrativa, nem desvio de conduta. Quero lhe dizer, norte-rio-grandense, que, com a experiência que tenho de vida pública, de ter realizado, onde ocupei cargos públicos, como deputado, secretário e como prefeito, nós sempre tivemos o reconhecimento da eficiência, do espírito público, do idealismo de fazer para melhorar a qualidade de vida das pessoas. E é com essa experiência que nós queremos ganhar as eleições e governar o Rio Grande do Norte, em sintonia com esse novo Brasil que está nascendo domingo, encerrando um ponto final no ciclo PT no Brasil, com a candidatura de Jair Bolsonaro e aqui no Rio Grande do Norte com a nossa candidatura. É essa parceria, essa sintonia que vai fazer com que o Rio Grande do Norte, que vive a sua crise mais aguda econômica, social e política, vai ter as condições de ser resgatado novamente no caminho do progresso e do desenvolvimento. Conto com vocês no domingo. Vamos mudar. Mudança é 12 e 17, Rio Grande do Norte e Brasil."

G1 RN