terça-feira, 30 de julho de 2019

Flor símbolo do RN, Orquídea Cattleya granulosa inicia floração



A flor símbolo do Rio Grande do Norte, a orquídea Cattleya granulosa iniciou sua época de floração no Parque das Dunas. O florescimento da espécie no estado acontece entre julho e novembro. Os primeiros registros da floração na Unidade de Conservação foram feitos nesta segunda-feira (29) pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – Idema, por meio da equipe de Botânica do Parque.
A importância da conservação da planta é fundamental, uma vez que encontra-se na categoria “vulnerável” da Lista Vermelha da Flora do Brasil. Segundo o botânico Alan Roque, presenciar populações saudáveis dentro de áreas protegidas é uma pequena garantia que essas espécies possam dar continuidade às suas existências.
De acordo com o botânico, a educação ambiental é o principal fator para a conservação da planta. “É de extrema relevância que a população saiba que a orquídea-cattleya está ameaçada de extinção e que o principal motivo é a perda de habitat e a sua retirada da natureza para comercialização. A população precisa ser sensibilizada para contemplar essas espécies apenas na natureza em seu hábitat natural, afirmou Alan.
A governadora Fátima Bezerra tornou a orquídea Cattleya granulosa flor símbolo do estado, em decisão publicada em 17 de maio, no Diário Oficial do Estado por meio da Lei nº 10.508. Além de sancionar o novo símbolo, a governadora também instituiu a Semana Estadual de Conservação, Valorização e Preservação da flor, a ser realizada todos os anos na última semana do mês de agosto, em todo o território do RN.
Além do Rio Grande do Norte, a espécie da orquídea Cattleya granulosatem registros de ocorrência nos Estados da Bahia e Paraíba, porém há indicações de sua existência também em Pernambuco, Alagoas e Espírito Santo. Seu desenvolvimento ocorre principalmente na faixa litorânea, em áreas de Restinga. A espécie tem como ameaças a fragmentação do habitat onde ocorre, ocasionada principalmente pelo desenvolvimento imobiliário, e pressão de coleta predatória, devido seu valor ornamental.
“A grande questão acerca das orquídeas é que sofrem pressão antrópica devido à coleta indiscriminada e a supressão de habitats. Fazemos um apelo para que as pessoas aprendam a contemplar a Natureza sem interferirem no processo natural dela”, ressaltou a gestora do Parque das Dunas, Mary Sorage.
A gestora do Parque ainda faz um alerta sobre a comercialização indevida da planta. “É essencial se conhecer a procedência de uma planta antes de comprar. Quando compramos ou vendemos uma planta nativa sem a devida autorização, desrespeitamos a natureza e quem dedica a vida produzindo plantas domesticadas. Fazemos o apelo para que as pessoas não colaborem com essa lamentável prática que é a compra de plantas coletadas ilegalmente. Vamos juntos respeitar a Natureza”, destacou Mary.
Nova espécie de orquídea registrada no Parque das Dunas
A biodiversidade do Parque das Dunas não para de surpreender. A equipe de Botânica registrou na última semana, uma nova ocorrência de orquídea para o Parque das Dunas e para o Parque de Natal. Trata-se da orquídea-gomesa (Gomesa barbata), que até então não havia sido registrada em herbário para a capital do Estado. Com ocorrência entre os estados do Ceará até o estado da Bahia, essa pequena orquídea havia sido registrada em outras Unidades de Conservação do RN: Área de Proteção Ambiental Piquiri-Una e Reserva Particular do Patrimônio Natural Mata Estrela. Segundo o botânico Alan Roque, a descoberta é um importante registro para o Parque.
“Temos ampliado nossa lista de espécies vegetais que saiu de 200 espécies (em 1981, quando se iniciaram os estudos botânicos para o Parque das Dunas) para aproximadamente 350, em 2019. Conhecer a flora das Unidades de Conservação nos dá subsídios para fortalecer a preservação da biodiversidade potiguar”, afirmou.
Capacitação
O Idema, através da equipe de Educação Ambiental e Núcleo de Gestão de Unidades de Conservação, promoveu na última semana, uma capacitação para Policiais Ambientais acerca das orquídeas do Rio Grande do Norte. A capacitação ocorreu em parceria com a Associação de Orquidófilos do RN (SORN) com o objetivo de aumentar os esforços de conservação das orquídeas nativas do nosso Estado. “É de fundamental importância que o policiamento ambiental saiba diferenciar uma orquídea exótica de uma nativa e saber como proceder nos casos de apreensão”, disse a bióloga Marina Moura.


G1 RN