terça-feira, 5 de novembro de 2019

Boatos sobre animais contaminados derrubam venda de pescados no RN

José Aldenir / Agora RN – Pescador desabafou ante os rumores


“Eu sou João Maria da Silva, aqui de Natal, do Rio Grande do Norte, e quero mostrar para a sociedade em geral, consumidora de peixe, que essa conversa de peixe contaminado não passa de balela. Isso não existe não”.
O desabafo foi gravado no último sábado, 2, pelo pescador que pertente à colônia conhecida como José Bonifácio (Z 4), que existe há quase um século. “Isso não passa de conversa pra boi dormir”, assegura.
Desde que começaram a circular notícias de que peixes na costa potiguar estariam impróprios para o consumo devido ao vazamento de óleo na costa do Nordeste, as vendas de pescados, especialmente a cioba, o dentão e a arabaiana, tiveram seus valores reduzidos pela metade pelos atravessadores.
“Como não temos como conservar estocado, o jeito é baixar o preço para vender, piorando muito a situação dos pescadores, que já é difícil”, disse nesta segunda-feira, 4, João Maria da Silva ao comentar o vídeo de 44 segundos que ele tomou a iniciativa de gravar e pedir ao filho para repassar nas redes sociais.
Segundo ele, cada saída de barco para pescar a 11 milhas da costa (17 quilômetros) custa no mínimo ao pescador R$ 2 mil. “Ultimamente, a gente anda trazendo menos de 600 quilos por saída e, com a queda no preço, a situação está realmente bem difícil para pagar as nossas contas”, lamenta ele.
João Maria insiste que não há problema algum no pescado. “Diferente do que acontece no pé do mangue, em alto mar não tem vestígio algum de contaminação e estou falando de uma lâmina d’água de 100 metros, onde se encontram os cardumes capturados pelos anzóis dos espinheis”, afirma.
Rosângela do Nascimento, presidente da colônia de pescadores da qual João Maria faz parte, responsabiliza a mídia pelo boato de contaminação dos peixes pelo petróleo, pelo menos no Rio Grande do Norte.
“O Ibama e o Idema estão em cima. Tem helicóptero monitorando qualquer mancha que apareça. O estado foi o menos prejudicado, mas tem gente de má fé falando o que não sabe e prejudicando cerca de 30 mil pescadores no Estado”, assegura.
As praias que registraram as últimas notificações de manchas – isso há mais de 10 dias – foram Tabatinga, Búzios e Camurupim, as três no município de Nísia Floresta; a Praia do Giz e a Praia do Amor, em Tibau do Sul; além de Pirangi do Norte, em Parnamirim.
As manchas de petróleo em praias do Nordeste já afetaram 249 localidades de 92 municípios dos 9 estados do Nordeste: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe estados, desde o final de agosto.
A substância é o mesmo petróleo cru e tem afetado a vida de animais marinhos e causado impactos diferentes no litoral nordestino, afetando reservas e turismo. 
Agora RN