Business

header ads

Entenda como pegadas de dinossauros encontradas no RN ficaram preservadas por 120 milhões de anos

 


As pegadas de dinossauros descobertas no Rio Grande do Norte por pesquisadores da UFRN e de outras duas instituições foram preservadas pela transformação de areia em pedra - um processo geológico chamado de diagênese, segundo os especialistas. Elas foram datas com cerca de 120 milhões de anos.

Coautora do artigo que divulgou a descoberta das pegadas, a professora Maria de Fátima Santos, da UFRN, explica que a preservação de fósseis dos animais depende que o material biológico seja rapidamente coberto, após a morte do animal.

Porém, no caso das pegadas, que são icnofósseis - vestígios indiretos da presença desses animais - ocorre justamente o contrário: foi preciso que o local em que os dinossauros pisaram ficasse exposto até os sedimentos se tornassem um arenito - tipo de rocha que é formada por areia.

"No caso dos vestígios indiretos, como a pegada, é interessante que quando o animal pise, aquele caminhar fique exposto, para que ele passe pelo processo de formação de rocha. Quando o animal pisou ali era um substrato mole, uma areia úmida, como areia da praia, e ele deixou uma marca funda", contou.

"Para ficar no estágio em que ficou, essa marca passou por um processo de diagênese, que é a formação de rocha, a partir da compactação, cimentação. Aquela areia endureceu até virar o arenito (tipo de rocha) encontrado hoje", continuou.

G1 RN

Postar um comentário

0 Comentários